A construção de um líder!

15 Julho 2020 Factor H

O que faz um líder ser um líder? É alguém que está no topo da hierarquia? É quem define estratégias? Reconhecemos ao longo da história pessoas tecnicamente excecionais que tiveram uma queda na mesma medida. E, depois, surgem os que não exibindo capacidades intelectuais extraordinárias, desbravam caminho levando consigo equipas inteiras.

Não há uma ciência exata. Ou melhor, não há ciência nenhuma. O que existe é um conjunto de softskills, inteligência emocional, carisma e a capacidade de se rodear das pessoas certas, impulsionando o que de melhor existe nelas. Como dizia Daniel Goleman, “um líder é mais uma arte do que uma ciência”.

Um bom líder pressupõe a dose certa de carisma. Tendencialmente, seguimos aqueles que admiramos e um líder sabe disso. A capacidade de persuadir e encantar de forma natural aplicada a um contexto de trabalho produz efeitos positivos e motivadores.

Mas nem só de carisma vive um excelente líder. A sua coragem e autoconfiança para dar o primeiro passo enfrentando desafios, funciona como elemento agregador da equipa. Líderes comprometidos com os objetivos do grupo e corajosos transmitem resiliência e um propósito.

Mas será que o equilíbrio emocional do líder influencia a sua equipa? A inteligência emocional é condição base à criação das melhores lideranças. Se não existir capacidade para gerir a impulsividade, estará a projetar-se uma sensação de insegurança e instabilidade. A equipa deixa de saber com o que contar e poderá cair numa espiral de incerteza.

Esta inteligência emocional não pressupõe a ausência de chamadas de atenção. Pelo contrário, líderes inteligentes estão atentos ao desempenho da sua equipa e funcionam como aglutinadores e orientadores. Devem, por isso, ser perspicazes e espelhar a forma como pretendem que as tarefas sejam feitas, acreditando na capacidade de desenvolver a sua equipa em direção à excelência. Em última instância o líder desenvolve a sua equipa, tornando-a autónoma no desempenho das suas funções.

Mas para tudo isto se alcançar a liderança deve reconhecer a lealdade como recíproca. Excelentes líderes encaram o seu papel como estando ao dispor dos membros da sua equipa, o que em última instância confere uma força inabalável ao caminho que o líder traçar.

Por último, e não menos importante, há que partir da base e essa base é a do autoconhecimento. Um líder que não se conheça profundamente jamais será capaz de mobilizar as suas forças em prol do bem-estar maior: a equipa.