Team Coaching

Felicidade no Trabalho é…

21 Setembro 2020 Factor H

Falar de Felicidade nem sempre é tão consensual quanto se pensa. Com facilidade duas pessoas terão uma visão diferente do seu conceito, muito provavelmente, porque uma delas estará a confundir felicidade com momentos pontuais de gratificação. Convém então ter presente que felicidade pressupõe aceder a uma vasta gama de emoções positivas, sejam elas o otimismo, a esperança, a gratidão e até mesmo a inspiração.

Se dermos esse salto e pensarmos em felicidade no trabalho a questão volta a colocar-se. É feliz no seu trabalho? Se a sua resposta à questão no imediato é não, questione se, por exemplo, a sua resposta está condicionada pelas tensões diárias ou por prazos de entrega curtos. Sim? Então saiba que qualquer um de nós independentemente de situações de stress pontuais, pode ser feliz no trabalho. O importante será perceber o impacto que estas situações têm em nós.

A verdade é que colaboradores felizes são mais criativos, eficazes, dinâmicos e envolvidos com o rumo da empresa. Pessoas felizes são inclusive mais propensas a ajudar os colegas. E será o dinheiro capaz de tudo isto? De gerar emoções positivas tão fortes? Esta é a oportunidade para introduzir a popular expressão: “dinheiro não compra felicidade”. Mas a realidade é que ajuda. Todos sabemos disso. No entanto, o que é necessário é que as empresas se empenhem em conseguir criar um clima organizacional positivo. Um local de trabalho onde se queira efetivamente estar.

Cada empresa saberá o que melhor se ajusta à sua realidade. Permitir ao colaborador ter um horário que lhe permita ir buscar os filhos, a partilha de refeições em equipa, ou um momento informal de descontração. Há um sem fim de possibilidades por explorar. Sabemos também que, provavelmente, nem todos os colaboradores serão felizes na empresa. Mas cabe à organização criar um ambiente e condições que o propicie. Cada pessoa receberá essa envolvência da forma que conseguir.

A grande questão é que algumas empresas ainda encaram a felicidade no trabalho como algo difícil de se alcançar. A visão de que seria bom, mas não é uma prioridade para a organização.

A verdade é que equipas felizes são equipas capazes!